• Equipe Nortus

Covid-19 nos convida: permanecer no automático ou abrir-se para o novo?



Por que resistimos tanto às mudanças se elas são tão naturais e necessárias ao desenvolvimento de todas as forma de vida?

Esta pergunta foi o ponto de partida da exposição feita pela instrutora e sócia-executiva da Nortus Luciana Sutti durante a live realizada no dia 07/04 no Youtube.


Você pode conferir a gravação completa aqui


Luciana destacou que as mudanças são convites para virmos a expressar uma versão melhor. São como “notificações de evolução” e a resistência a elas está ligada a um comportamento automático: o de poupar energia. Em especial, economizamos a energia de nosso cérebro que utiliza 25% de toda energia do corpo humano, sendo que desse percentual, 50% são consumidos pelo córtex pré-frontal, responsável pela nossa capacidade de refletir, analisar.


Se resistir às mudanças é a resposta automática, Luciana observa que - como seres dotados da capacidade de análise - está em nossas mãos a decisão se vamos permanecer nas programações automáticas ou nos abrirmos para o novo.


Segundo Luciana, experimentar o novo pressupõe vivenciar diferentes fases da mudança, detalhadas pelos pesquisadores Don Beck e Chris Cowan no livro Dinâmica da Espiral. Neste percurso, é possível seguir sem desgaste e sofrimento se nos abrirmos para vivenciarmos a zona de aprendizagem.


“A Covid-19 está convocando a humanidade à evolução para uma nova versão. O legal é que a gente vê algumas coisas acontecendo nesta mudança grande que estamos vivendo na humanidade. Quando ouço que fábricas de mísseis em Israel estão agora fabricando respiradores, percebo pessoas que estão passando pela zona de aprendizagem.”, analisa Luciana.


Para isso, é necessário assumir uma posição protagonista, raciocinar e estar 100% no presente, livres de projeções no passado ou no futuro. A instrutora afirma que todos somos capazes de passar pelas mudanças com mais leveza e assertividade se mantivermos a atenção plena.


Atenção plena = Mindfulness


Esta é uma capacidade disponível a todos, porém necessita ser desenvolvida, treinada constantemente. Uma das maneiras de desenvolvê-la é praticar algum dos inúmeros tipos de meditação.

Luciana explicou que os benefícios de práticas meditativas para o cérebro humano começaram a ser comprovados a partir dos anos 1990. Por meio de uma série de equipamentos e tecnologias foi possível identificar que técnicas de fortalecimento da atenção do indivíduo no aqui e agora alteram a neuroplasticidade do cérebro, ativando circuitos neuronais no córtex pré-frontal.


E é exatamente esta parte do cérebro que precisamos utilizar quando somos convocados às mudanças. Portanto, a atenção plena nos auxilia muito nas decisões que precisamos tomar. “A atenção plena possibilita que você possa se conduzir, independente do que esteja acontecendo do lado de fora. Por este motivo, é a capacidade mais importante a ser desenvolvida nesta época de grandes mudanças e incertezas.”, ressalta.


Desmistificando a atenção plena

Durante a live, Luciana comentou que é muito comum em seus atendimentos as pessoas dizerem que a meditação ou a atenção plena não é para elas, como se fosse algo inatingível. Nesses casos ela mostra que os pré-requisitos são bem básicos:


  • Saber respirar

  • Saber se concentrar

  • Saber relaxar


A parte final da live foi dedicada a compartilhar alguns exercícios para a prática de atenção plena, os quais podem ser feitos no escritório ou mesmo em casa.


1) Respirar profundamente


Colocar-se numa posição confortável, fechar os olhos, perceber seu corpo como está e iniciar uma respiração lenta e profunda.


A respiração lenta e profunda diminui a frequência das ondas cerebrais possibilitando maior abertura para perceber o que acontece dentro e fora de você.


A indicação é para que você comece fazendo por um tempo não muito longo e vá ampliando gradativamente.


2) Incluir a atenção pela no dia a dia


Fazer um exercício de colocar a atenção em uma ação específica. Por exemplo, fechar os olhos e prestar atenção em todos os sons possíveis. Dos mais próximos aos mais distantes, perceber suas nuances, quais lhe agradam mais.


Outro exemplo, seria realizar tarefas que costumamos fazer cotidianamente no automático, porém agora prestando atenção em detalhes. Ao lavar louças, perceber a textura dos pratos, vasilhas, temperatura da água, textura do sabão, esponja. Ou ainda, escovar os dentes com a mão oposta a que você utiliza.


Estes tipos de atividades estimulam o cérebro a fortalecer os circuitos neuronais do córtex pré-frontal.


Série de lives continua

A Nortus continua até o dia 28/04 com a série de lives realizadas em seu canal do Youtube sobre como pensar e agir durante a pandemia. A próxima apresentará o tema: Como se comunicar quando existe pânico? com a instrutora e sócia-executiva Mirieli Colombo, no dia 14/04 às 19h.


Para não perder nenhuma das lives, você pode se inscrever no canal www.youtube.com/nortustvoficial. Assim, você receberá notificações das entradas ao vivo e a cada novo conteúdo de desenvolvimento humano publicado pela Nortus.


Além do Canal no Youtube, os conteúdos das lives estão sendo disponibilizados no Podcast Nortus no Spotify.


Com esta série de lives, a Nortus cumpre o objetivo de entregar conteúdos que apoiem o desenvolvimento das pessoas neste momento de grande dificuldade social, atuando no fortalecimento das capacidades e habilidades que são imprescindíveis em momentos de crises.


14 visualizações