A gestão que não temos | Nortus | Gestão Contemporânea

A gestão que não temos

6/7/2017

Qual é a gestão que queremos e precisamos ter?

 

Desde que exista uma necessidade a ser atendida e uma pessoa não consiga fazer isso sozinha, há, intrínseco, um estímulo básico para a existência da gestão: alguém precisa conhecer um contexto de tal forma que a permita acompanhar um grupo de pessoas, permitindo que sincronizem conhecimentos e habilidades e cheguem a um objetivo comum.

 

Muda-se o mercado, muda-se a política, muda-se a tecnologia, muda-se a história, e a gestão contínua necessária. Mas que tipo de gestão serve? 

 

A gestão que serve é aquela que sabe gerenciar no contexto sendo vivido por uma equipe ou por uma empresa. Isso é uma obviedade que informa que a gestão que serve é aquela capaz de conhecer o que o momento solicita, e a que tem condições de traçar as linhas de ação que levarão uma necessidade a ser suprida e uma estrutura a ser melhorada. Com cada vez mais conhecimento de alto nível sendo gerado e posto a disposição, não é mais permitido que os resultados sejam alcançados de qualquer jeito e a qualquer custo, pois o entendimento sobre custo está sendo aprofundado, e não somente perdas de recursos materiais estão sendo contabilizados.

 

As empresas que estarão presentes no futuro já compreenderam que a bola da vez é fazer o certo, na coisa certa e na hora certa; e isso requer um nível de inteligência coletiva mais alto e um sistema preparado para errar menos, pensando mais. 

Nossa gestão atual parece não conseguir exercer a sua função de gerenciar. Parece estar aprisionada na operação, e o tempo que precisaria utilizar para o alcance de melhores resultados, gerando mais exatidão na realização das estratégias e no acompanhamento da concretização dos processos, parece não existir. Essa é a gestão que temos; uma gestão operacional, por necessidade e por cultura.

 

Quem, dentro das organizações, está pensando sobre qual é a gestão que precisamos hoje? Na sua organização, quem está pensando sobre isso? Quem proporá, de forma estruturada, a passagem de uma gestão operacional para uma gestão gestora? 

 

Precisamos de uma gestão que pense mais do que execute, pois quem executa muito não se permite tempo para pensar.

 

Leia também: Os cinco elementos fundamentais dos grandes comunicadores

 

 

 

Please reload

Receba nosso conteúdo em seu e-mail.

Preencha este formulário e sempre que enviarmos um conteúdo estimulante, você receberá em primeira mão.

Nossas Redes

  • linkedin_nortus
  • Facebook Nortus
  • Nortus_TV
  • Insta_nortus